28.51°C Brasília

22 de fevereiro de 2024

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

Carnaval do Centro de Vitória, deve se render?

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Coluna Letrados Por Rodolfo Birchler  – Artista Plástico. Carnaval do Centro de Vitória, nossa capital histórica, que nos rendeu tantas

A juventude não sabe amar as Quatro Estações

(Imagem: Shutterstock)

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-3


Por José Salucci – Jornalista.

A juventude não sabe amar o tempo existido na personalidade de cada estação do ano. A juventude contemporânea não suporta o Inverno. Se vangloria no Verão. Ela é insensível no Outono e, na Primavera, violenta as rosas.

A vida sempre foi e sempre será repleta de desafios. Esses desafios são espinhos em nosso ninho para nos tirar do comodismo e nos incentivar ao aprendizado do voo.

Diante do Inverno, nosso corpo procura se aquecer com roupas apropriadas à situação. De modo conotativo, o inverno da alma procura um abraço amigo, um aconchego de quem nós admiramos, ou, até mesmo, de um estranho, afinal de contas, Inverno é sempre Inverno: nos fragiliza.

É nessa estação que precisamos da temperatura da comunhão. É aqui que nos aproximamos das alteridades. Sentamos em roda, ficamos mais perto, olhamos mais atentos para o outro olhar. Ouvimos mais!

Nesse modelo, a juventude contemporânea não sabe ouvir os conselhos do Inverno, são fugitivos das relações de proximidade. O Inverno econômico, social, político, às vezes castiga, é nessa circunstância que os mancebos da razão, os ‘intelectuais’ das novas tecnologias sentem-se ‘dodói’. Geração que não pode ser contrariada; os direitos só pertencem a eles; os deveres são obsoletos aos ‘animais pós-modernos’. Os relacionamentos são vazios. A fúria do Inverno mata porque sobreviver no ardor do vento tem que aprender a abraçar, isso os mancebos não fazem, não sabem; os manuais das tecnologias não ensinam, tão pouco os professores militantes de causas vazias. Só sabe abraçar quem recebeu abraço. De um braço forte de um trabalhador e trabalhadora humildes muitos abraços foram dados em seus filhos. Hoje, são idosos com braços, esperando abraços de jovens sem braços.

Outra estação vem ensiná-los o amor sobre a vida: o Verão. A vida está a sorrir para eles. O Verão é o feminino quente, o masculino metabolizado. Libidos danados. É hora de sair. De curtir. De recuperar o tempo perdido, de colocar uma bermuda, um shortinho e correr pelas ruas, seja de dia, seja de noite, infortúnios ruídos nas madrugadas.

O Verão nos convida para aventuras inesquecíveis. Geralmente, são dias de êxtase, de euforia.

Nessa estação, os jovens esquecem que tudo é passageiro, aproveitam o momento de forma insensata, achando que drogas de aluguel, hipóteses de felicidade, conceitos de vento irão subsidiar a felicidade que a alma deseja. Vangloriam-se quando estão por cima… A roda gira… A vida está literalmente na palma da mão. A informação chega semelhante a velocidade da luz, mas são jovens envaidecidos com uma vida de ostentação, seja nas esquinas, nos bailes, nas festas, no online, nas escolas, nas coisas não coisadas; só ouvem falar e já dizem que sabem.

Essa juventude perdeu o tino do Outono, é aqui que as flores caem. O sentido da morte precisa de ser resgatado para quem acha que a vida é um simples lugar de passagem e festa carnavalesca. Insensíveis diante do Outono, porque são amantes de si mesmos, meninos e meninas envaidecidos por suas belezas, corpos paradigmáticos que obedecem conceitos de quem os dominam. Sempre com a roupinha da estação, com a bebida da estação, com a droguinha do momento… com a musiquinha da estação… a dancinha da estação… O Outono chega e eles não se dão conta que as folhas caem… Tudo na vida vai passar… Vai cair! Se vai, vai, vai e não volta. O Outono é fase de saber refletir os amores e afetos, as virtudes que se quer alcançar. Caem corpos na calçada como folhas secas.

Sem ordem cronológica, já que a juventude nem se importa pra isso, chega a Primavera. Não há mais o romance, porque jovens têm aversão ao romântico; o amor não sai de moda. Tudo tem que ser pra agora. Juventude de relacionamento líquido. São violentos nos relacionamentos… Trocam de peça humana, mas a dor é contida na raiz do caule de seus corações.

A Primavera ensina que a colheita vale a pena. Que cada dia de trabalho foi importante para a construção de uma ética valorativa. Aprende-se, aqui, que cada flor tem sua cor e seu perfume, que cada ser humano tem o seu valor, sua cultura. Amar vale a pena. Sorrir com a simplicidade é fruto de quem tem sabedoria no viver.

Entre as flores há jardineiros mal educados… A juventude não sabe a filosofia das estações.  A imagem do amor está nas estações. Verão, Inverno, Outono e Primavera são práticas de verdade. Amar em todas as estações é praticar o amor racional, que nos leva a reflexão da vida e vida para a reflexão do amor.

A juventude não sabe amar os paradigmas das estações!

*O texto é de livre pensamento do colunista*


Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-3

José SalucciJornalista e Diretor do Jornal Merkato. / Foto: Thais Gobbo.

Compartilhe essa matéria nas redes sociais

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram

Tags

Talvez queira ler esses Artigos

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

Carnaval do Centro de Vitória, deve se render?

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Coluna Letrados Por Rodolfo Birchler  – Artista Plástico. Carnaval do Centro de Vitória, nossa capital histórica, que nos rendeu tantas

Shopping Basket