28.51°C Brasília

22 de fevereiro de 2024

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

Carnaval do Centro de Vitória, deve se render?

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Coluna Letrados Por Rodolfo Birchler  – Artista Plástico. Carnaval do Centro de Vitória, nossa capital histórica, que nos rendeu tantas

A voz do quilombo comunitário

Crislayne Zeferina, 31, pedagoga e educadora social.

Primeira mulher negra favelada que presidiu o Conselho Municipal de Juventude de Vitória (Conjuvi) representando a sociedade civil em 2019/2020. Atualmente, é a presidente
nacional da Nova Frente Negra Brasileira. / (Imagem capa: Divulgação).

O Jornal Merkato continua a sequência da série “Mulheres do Bem”. Na ocasião, mulheres pertencentes as comunidades do Bairro da Penha, São Benedito, Itararé, Bonfim, Consolação, Gurigica, Jaburu, Floresta e Engenharia terão suas memórias e feitos narrados, no que tange à colaboração dos seus trabalhos comunitários, resultando em transformações sociais no passado e presente do Território do Bem.

A nossa segunda entrevistada, é ativista e pedagoga social. Moradora do Bairro da Penha, Crislayne Zeferina, 31, é uma representante da sua comunidade na busca por direitos e avanços sociais. Por curiosidade, a menina nasceu no dia sete (07) de maio, em que se comemora o “Dia do Silêncio”, porém essa voz que vocês irão conhecer tem em seu coração e mente um plural de palavras, que aliás, por muito tempo já conta sua própria história e de sua ancestralidade, a partir da perspectiva periférica e com o olhar territorial.

Crislayne trabalha na Secretaria Estadual das Mulheres, na Gerência de Empreendedorismo como subgerente de Inclusão Digital e Acesso ao Mercado de Trabalho. Além de cursar Direito e ser Pós-Graduada em Pedagogia Social, a ativista pratica um esporte que se orgulha muito: o muay thai.

Confira uma parte da história dessa falante ativa comunitária, fundadora da instituição “Conexão Perifa” e cofundadora do “Coletivo Beco” e do “Fórum de Juventudes do Território do Bem” (FJTB).

1 – Crislayne Zeferiana, faça um breve relato de sua infância e adolescência; o que foi marcante para você; o que carrega consigo de bons frutos e o que foi sofrido nesse período?

A minha infância foi como de qualquer mulher negra e periférica: muitos desafios e poucas oportunidades, mas a felicidade e o sorriso estampado no rosto. Me lembro quando brincava de bolinha de gude, brincava de soltar pipa e adorava correr na pedra. Bonecas nunca foram meu forte, mas sim o futebol, a pipa e o pique-pega. Todas essas brincadeiras são minhas lembranças que me fazem sorrir até hoje. O que carrego está ligado a valorização da vida, ao afeto entre a família e o beco como lazer. Já a falta de água, é a lembrança mais triste que tenho como direito básico.

2 – Crislayne, você é uma pedagoga, educadora social, mobilizadora e articuladora comunitária, além de estudante de Direito; para onde você tem direcionado o seu futuro profissional?

Meu futuro profissional está ligado diretamente a ajuda humanitária. Eu posso fornecer às pessoas, a partir do vínculo entre estado e sociedade civil, na construção das políticas públicas para periferia, garantias de direitos.

“A chave é se aquilombar. É a importância da união entre nós negros e periféricos”. / Foto: Divulgação.

3 – Como foi seu encontro com a política no momento em que se deu conta da força de sua negritude, e o que significa essa negritude?

Negritude para nós do movimento negro é um processo identitário de reconhecimento do nosso corpo, enquanto corpo preto, corpo negro. Quando você nasce com o corpo preto e periférico e, não aceitando as desigualdades sociais, e raciais que existem, você já é um corpo que se encontra fazendo política a todo o momento. Mas foi aos 15 anos de idade que eu comecei a ajudar minha vó na Pastoral da Criança. A força da minha negritude, eu me dei conta, depois de terminar a minha primeira graduação, a Pedagogia, e depois ter entrado no movimento social .

4 – Você realiza muitas palestras sobre o fortalecimento, o empoderamento de mulheres negras periféricas. Essa sua paixão, missão e mobilização, tudo isso faz você se articular por qual motivo? Quando foi o start em sua vida a chegar a pensar: ‘Preciso de fazer alguma coisa pela minha comunidade’.

A luta pelo fim do racismo. Ela se dá através da participação social, primeiramente, e segundo, na formação de olhares críticos, pra que a gente não deixe que nossos meninos e meninas reproduzem, que infelizmente, o livro didático traz: que a Isabel, a grande princesa, é a libertadora dos escravizados. Essas pessoas precisam de entender que existiram abolicionistas, mulheres e homens pretos, que estavam lutando e forçando que essa libertação chegasse no Brasil, o último país a libertar o povo negro.

E aí, a partir de um estudo, eu comecei a ver a periferia como um novo quilombo. A verdadeira democracia só vai existir quando essa periferia conhecer, de fato, o que é uma democracia representativa, que traz elementos centrais da periferia pra dentro do orçamento e pra dentro do debate político. A partir daí, eu percebi que a gente precisava voltar e ter esse olhar pra comunidade.

5 – O termo racismo estrutural, cunhado pelo professor e filósofo Silvio Luiz de Almeida, atual ministro dos Direitos Humanos, trouxe uma nova perspectiva de reflexão para o combate ao racismo. Uma parte da ala da direita conservadora brasileira não se agrada muito dessa expressão, e dizem ser um certo exagero, não que esta negue o racismo no Brasil. Pontue, na sua opinião, sendo mulher negra periférica, que sabe exatamente a estrutura do aparelho ideológico racial, o que mais você luta para que esse muro de preconceito e racismo venha a ser demolido?

A gente demonstra através de narrativas e olhares pretos (as) e favelados que existe uma estrutura que favorece um corpo e desfavorece o outro corpo, e a partir daí, a gente começa a desconstruir um olhar eurocêntrico trazendo uma perspectiva negrecida para um país, que é formado dentro de um pacto de uma branquitude. Quando o Silvio Almeida pontua o racismo estrutural, ele tá dizendo que a raiz do nosso problema e de todas essas opressões está no racismo estrutural: o machismo e o sexismo como uma única aliança opressora que precisa ser derrotada.

6 – Exemplificando a questão do racismo estrutural, o caso Marielle Franco está vindo à tona. Há uma emergência em se combater o racismo e a violência política em nosso país. O que você pontuaria nesse caso como racismo estrutural?

Importante pontuar que o caso da Marielle… a violência política de gênero, ela nasce para além, né? Quando a gente tem várias pessoas de comunidade que são líderes e ativistas sociais, que são mortos por vários fascistas no Brasil…, então a gente precisa deixar isso bem pontuado. Existe uma violência política de gênero desde quando Maria Carolina de Jesus ocupou as periferias e construiu as suas casas com papelão. E aí a gente precisa se perguntar… é… como a gente faz pra derrotar essa emergência de racismo e de violência política que tá hoje de forma aflorada na narrativa no debate político?

Eu acho que a primeira coisa é o presidente Lula nos falar quem matou Marielle. A segunda coisa é criar um pacto com movimentos sociais, com entidades e organizações antirracistas pra entender a importância da derrota do racismo estrutural.

E outra coisa, a gente não debate um grande vilão opressor, que é o racismo; sem recursos; sem política pública; sem pessoas no Executivo e no Legislativo. A gente precisa fazer que o Brasil nasça de novo. Esse racismo estrutural é nítido e está permeando em nossa sociedade. Eu tô dizendo… Quando a gente tem uma Câmara de deputados federais, que majoritariamente é branca… A gente tá dizendo que quando a Câmara do município de Vitória, a capital do Espírito Santo… Você só tem o vereador André de pessoa negra e não tem mais uma mulher negra, então é sobre isso que a gente tá dizendo.

7 – Você é uma mulher do bem que mora no Território do Bem. Deixa uma palavra para essa juventude entender o que significa política social comunitária. Que tudo começa daqui, para que depois, chegue lá no Congresso Nacional.

Quando a gente fala de trabalho de base que foi perdido, sempre me pergunto: Foi perdido pra quem? Porque o meu corpo, o corpo da minha vó, o corpo dos meus amigos, que tem um coletivo em território, eles sempre estiveram presentes no território. Então, a gente sempre foi um agente político. A juventude é a revolução do nosso passado, do nosso presente e do nosso futuro.

E pra isso… pra chegar nesse Congresso… pra chegar nas Câmaras, a gente vai precisar se aquilombar… Porque só com estratégia, com pensamento de captação de recursos financeiros pra eleger os nossos, é que a gente vai chegar nesses espaços… Esse espaço que se diz que derrotou a monarquia, mas você sempre vê os filhos dos reis. E quem são esses reis? Os ex-prefeitos, os ex-presidentes, o ex-tudo, menos a… a ex-faxineira… os filhos das ex-faxineiras ocupando esses lugares. Então é sobre isso: fortalecer a juventude é pensar nessa perspectiva de aquilombamento, de se fortalecer em grupo e de entender que a gente precisa, urgentemente, sabotar os sabotadores pra que nós não sejamos sabotados.

Crislayne Zeferina tem sua história de mobilizadora social e cultural narrada no livro “A essência dos dias: Histórias de vida do Território do Bem”, da jornalista Laís Rocio, à direita na foto. / Foto: Thais Gobbo.

 

Compartilhe essa matéria nas redes sociais

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram

Tags

Talvez queira ler esses Artigos

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

Carnaval do Centro de Vitória, deve se render?

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Coluna Letrados Por Rodolfo Birchler  – Artista Plástico. Carnaval do Centro de Vitória, nossa capital histórica, que nos rendeu tantas

Shopping Basket