PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

O amor é lido em todo tempo e espaço

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Coluna Letrados Por Sueli Valiato/ professora de Língua Portuguesa e Literatura. Hoje é o Dia dos Namorados… E, inspirando-me nos cânticos do

E viva a cultura nacional!

Imagem: Divulgação.

“Um país sem cultura é um país sem educação”. (Fernanda Montenegro)

Hoje, dia 19 de junho, é comemorado o Dia do Cinema Brasileiro. Isso me levou a refletir sobre até que ponto nós conhecemos e valorizamos nossos bens culturais?

Como educadora, tenho muita preocupação com esse assunto. Na minha adolescência, frequentar o Cine São Luís, em Vitória, era sempre motivo de festa. Filmes como Pixote, Central do Brasil e O quatrilho lotavam as salas e nós realmente compreendíamos as críticas sociais que havia em seu enredo. Hoje, vejo as grandes salas dos shoppings tendo mais lucro com a venda de pipoca e refrigerante. Salas vazias, filmes não tão bons, e a tecnologia 3D, que garante uma experiência sensorial emocionante, por vezes encobre a falta de qualidade dos filmes. E nem ela está evitando a decadência de nossos cinemas. Na pandemia, cerca de 300 salas foram fechadas no Brasil.

E não são só nossos cinemas que sofrem. Nossos museus estão pegando fogo, devido ao comprometimento de sua estrutura, e demoram cinco, seis anos para serem reformados. Os que restam, lutam para manter sua programação, como se não fossem o arrimo de nossas memórias.

É preciso falar também do teatro. Essa arte, que sobrevive desde a Grécia antiga, tem sofrido muito com os reflexos da pandemia e da crise econômica. Que porcentagem da população tem acesso a esse bem? Que tipo de lazer pode ter uma família que precisa priorizar suas necessidades, como alimentação e moradia?

Não há programas culturais que se sustentem nesse contexto. E a votação das poucas leis propostas se arrasta no plenário. Enquanto isso, muitos artistas têm tido que se reinventar para sobreviver e a manutenção de espaços culturais é, não raras vezes, resultado de uma luta insistente de um grupo de resistentes.

Um país que não valoriza sua cultura e que desconhece suas raízes culturais ainda precisa percorrer um longo caminho para ser considerado desenvolvido. O acesso à cultura é direito e requisito básico para uma boa educação.

Aproveito a data de hoje para fazer uma homenagem a essa riqueza cultural chamada Brasil e aos vários heróis da resistência, que lutam diariamente para manter acesa a chama da cultura em nosso país.


Magda Simone Tiradentes – *Mestre em Letras pelo Mestrado Profissional em Letras (IFES). Experiência na docência de Língua Portuguesa (Ensino fundamental II), atua na Secretaria de Educação da Serra, com a Formação Continuada de Professores de Língua Portuguesa.

 

 

Compartilhe essa matéria nas redes sociais

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram

Tags

Talvez queira ler esses Artigos

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

O amor é lido em todo tempo e espaço

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Coluna Letrados Por Sueli Valiato/ professora de Língua Portuguesa e Literatura. Hoje é o Dia dos Namorados… E, inspirando-me nos cânticos do

Shopping Basket