PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

Simone, CEO da Silver Solutions

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Entrevista / Empresarial Bacharel em Turismo, Técnico em Segurança do Trabalho e Especialista em Segurança Contra Incêndio, a CEO da

Para que servem as escolas?

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39 Coluna Letrados Por Samuel J. Messias / Mestre em Educação. O papel das escolas na sociedade As escolas desempenham

Projeto “Caravana de Lutas” estreia com sucesso no Serra + Cidadã

O projeto Caravana de Lutas promoveu cidadania e muito esporte na 17ª edição do Serra + Cidadã. / Foto: @edersonfelixfotografo

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39


Terceiro Setor / Política, Esporte e Cidadania

O projeto “Caravana de Lutas” estreou suas atividades esportivas na 17ª edição do Serra + Cidadã. A parceria Primeiro e Terceiro setores promoveu práticas de cidadania, esporte e inclusão na comunidade de Nossa Senhora da Conceição, região de Serra Sede, nesse sábado (23). O evento teve início às 9 horas, com término às 16h30, no campo do MEC Esporte Clube.

O “Caravana de Lutas” é um projeto fundado pela Associação de Intervenção Familiar do Espírito Santo (Interfami). O presidente Eduardo Freitas Dias, 46, comentou a importância de participar de um evento que proporciona alta visibilidade. “O projeto ‘Caravana de Lutas’ é um sonho bem antigo. Durante essa jornada, encontramos com a Nancy Ibañez, que hoje é a madrinha do nosso projeto. Ela procurou a Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania (Sedir), para fazer esse vínculo com o ‘Serra + Cidadã. De imediato, a secretária Lilian Mota comprou a ideia e abraçou o ‘Caravana de Lutas’ pra trazê-lo para o Serra + Cidadã”, explicou.

À esquerda na foto, Nancy Ibañez, madrinha da Interfami e uma das idealizadoras do ‘Caravana de Lutas’. Ao seu lado, o presidente da Interfami, Eduardo Freitas. / Foto: @edersonfelixfotografo

A Associação Interfami foi criada pela Patrícia Freitas, esposa de Eduardo, e sua amiga Priscila Rodrigues. Já teve como presidenta a Renata, que hoje reside em Portugal. Na atual presidência, com três anos de gestão, Eduardo disse que “o maior desafio sempre é a captação de recurso para poder tocar os projetos”.  Há 14 anos, a associação trabalha com práticas educacionais (reforço escolar); esporte, propriamente dito, o judô e uma roda de conversa chamada ‘Papo de Mulher’. Essas e outras atividades são desenvolvidas em comunidades com vulnerabilidade social.

Reforçando o propósito do evento, o presidente comentou, especificamente, as características e os objetivos do “Caravana de Lutas”. “O projeto Caravana de Lutas funciona de forma itinerante. Nós temos outros projetos que funcionam com atividades regulares. Nós vamos fazer o ‘Caravana de Lutas’ em 10 etapas. Ainda não estão definidos todos os locais e datas. Porém, nós vamos tentar ir ao máximo na Grande Vitória, em alguns municípios do interior do estado do Espírito Santo, levando o ‘Caravana de Lutas’ para difundir as modalidades que ele está trazendo hoje”, explicou o Empreendedor Social, que também possui formação na área de Recursos Humanos (RH).

A parceria entre Primeiro e Terceiro setores promove cidadania à população serrana no evento Serra + Cidadã, com a estreia do projeto “Caravana de Lutas”. À esquerda na foto, o prefeito Sérgio Vidigal, ao seu lado, o Empreendedor Social, Eduardo Freitas. / Foto: @edersonfelixfotografo

Prefeitura

O prefeito do município de Serra, Sérgio Vidigal (PDT), comentou a relevância dessa parceria Primeiro e Terceiro setores, com o apoio das secretarias envolvidas, que inseriram o “Caravana de Lutas” no evento Serra + Cidadã.

“Já está consolidado na gestão pública, que nós não conseguimos governar sem a participação do Terceiro Setor. Hoje, é só você observar no esporte, na cultura, na saúde, na assistência, entre outras, como o Terceiro Setor está presente na gestão municipal. E essa hoje, a “Caravana de Lutas”, vem incorporar, também, uma nova ação do nosso “Serra + Cidadã”, destacou o prefeito.

O chefe do Executivo comentou em ampliar os horizontes com esse projeto, o qual se mostra de alta potência para efetivar políticas públicas diversas. “Queremos ampliar, queremos levar para dentro da gestão da Prefeitura da Serra, até porque, essa atividade, é uma atividade de disciplina, que faz inclusão social, que trata da saúde física e mental, e muito mais do que isso, proporciona novas oportunidades aos nossos jovens, pra que busquem o melhor caminho, que é o caminho dos esportes”, concluiu o prefeito.

Prefeito Sérgio Vidigal sendo entrevistado pelo jornalista José Salucci – CEO do jornal Merkato. / Foto: @edersonfelixfotografo

Serra + Cidadã

A 17ª edição do Serra + Cidadã realizou 13.402 atendimentos e fez sucesso, no último sábado (23). A estrutura comandada pela Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania (Sedir), levou serviços públicos e consultoria nas áreas de saúde, educação, direitos humanos e cidadania.

Em especial ao mês de março, em que se comemora o “Dia Internacional da Mulher”, houve destaque para os serviços da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres (Seppom).

A secretária de Direitos Humanos e Cidadania (Sedir), Lilian Mota, e coordenadora do evento disse “esse evento é a maior ação global do estado do Espírito Santo, a gente realiza cerca de 12 mil atendimentos. Nós temos, aqui, 65 serviços, em um dia de sábado”. A secretária também comentou sobre a parceria com a Interfami. “A gente fala muito da defesa pessoal e do empoderamento da mulher, através da luta, não como forma de violência, mas como forma de conter o agressor. Se ela souber algumas formas de proteção, ela pode evitar as garras do algoz”, enfatizou.

À esquerda na foto, Nancy Ibañez, ao seu lado, Patrícia Freitas, uma das fundadoras do Interfami. No centro da foro, a secretária da Sedir, Lilian Mota, ao seu lado, o chefe de gabinete de Sérgio Vidigal, Weverson Meireles e ao seu lado, o presidente da Interfami, Eduardo Freitas. / Foto: @edersonfelixfotografo

Também representando a Prefeitura de Serra, o secretário de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer (Setur), Pedro Henrique, que ocupa por apenas quatro meses a pasta, destacou o momento de integração esporte e cidadania. “O esporte é saúde. O esporte é disciplina. O esporte é desenvolvimento. Eu visito muitos projetos sociais com a Nancy, vejo que isso valoriza a criança. As crianças que estão à margem da criminalidade, o esporte tira isso delas e as transformam em um jovem e cidadão de bem”, comentou o titular da pasta.

O chefe de gabinete do poder Executivo de Serra, Weverson Meireles, que também é o presidente estadual do PDT, comentou sobre a oportunidade que o “Caravana de Lutas” já oferece à população capixaba, e destacou o evento por ser ponto de partida de uma política pública no município de Serra. “Primeiro que pra gente é uma honra muito grande ter, aqui, a abertura do ‘Caravana de Lutas’, que vai rodar o estado inteiro, iniciando pela maior cidade do ES, que é a Serra. O ‘Caravana de Lutas’ está sendo vista pela gestão do prefeito Sérgio Vidigal, justamente, como uma oportunidade de descobrirmos e potencializarmos os nossos talentos serranos”, pontuou.

Instrutores

Com a estreia do projeto “Caravana de Lutas” no evento da Prefeitura, em um grande tatame, montado ao lado da tenda, houve demonstrações e oficinas nas modalidades de judô, jiu-jitsu, karatê, boxe, muay thai, wrestling, kickboxing e capoeira. Mais de 13 academias e coletivos de esportes participaram.

O projeto “Caravana de Lutas” recebeu recursos do Ministério de Esportes, em parceria com a Prefeitura de Serra. O evento contou com a participação especial do pugilista Yamaguchi Falcão, medalhista olímpico de bronze nos Jogos de Londres 2012.

“Os organizadores estão de parabéns em realizar esse evento. A cabeça da criança muda completamente em um evento desse. Hoje, o mundo é tão sujo e ter eventos assim vai fazer a criança ter mudanças de história de vida.  A criança indo pro esporte, se ela pegar firme e forte, ela conhece o mundo. Eu também vim da favela, eu conheci o lado da pobreza, e graças a Deus e ao esporte, eu sou um homem viajado, conheci o mundo. O esporte me deu muita alegria. Então poder estar, aqui, passando pra essa criançada, que estão me vendo de cinturão, com uma medalha olímpica, isso pra mim é gratificante. Eu gostei do boxe, tomei força, consegui chegar, conquistei uma medalha olímpica e oito cinturões internacionais. Eu venci no esporte”, disse o pugilista. / Foto: @edersonfelixfotografo

Com oito (08) instrutores à disposição do público, o evento foi energia pura. Abaixo, confira os mestres, professores, sensei, aqueles que enfrentam a mais dura luta, a vida.

Sebastião Oliveira Gomes

“O evento é importante até para as pessoas verem que a arte marcial é pra todos. A arte marcial, além de gerar disciplina, concentração, equilíbrio, também gera saúde, segurança e faz com que a pessoa tenha a ciência de que é um combate, é uma luta. E que, durante toda a vida teremos muitos combates. Aprender a trabalhar com ganhos e perdas, também é uma coisa que o esporte ensina. A arte marcial prepara as pessoas para a sociedade. Prepara fisicamente, mentalmente e espiritualmente”, disse o Tião, professor de Jiu-Jítsu. Ao seu lado na foto, recebe troféu simbólico das mãos do secretário da Setur, Pedro Henrique. / Foto: @fabriciolfotos 

Mestre Nikimba

Um evento nessa proporção, eu entendo que, com certeza, ele vai transformar muitos capoeiristas, muitos atletas dessas modalidades diversas, porque é um momento oportuno que a comunidade tem de conseguir ver de perto o que é que a Serra tem em termos de grandes lutadores. A Serra é um celeiro de bamba, porém mais importante do que isso, falando na semente, é a importância de despertar naquele outro a forma e a força que a arte marcial tem de mudar a vida de alguém, disse o Mestre de capoeira, Nikimba, com 40 anos de experiência em artes marciais. / Foto: @edersonfelixfotografo

Anderson Dias, o Gladiador

“Esse evento é uma oportunidade, tanto para as crianças e tanto para nós professores, porque isso faz uma integração muito grande entre crianças carentes, que não tem condições de poder tá pagando uma academia, e, aqui, é uma integração que eles conseguem conhecer a gente como profissional e eles conhecerem um pouco da arte para praticar. E o mais importante, o lado cidadão”, disse o professor, que tem especialidade nas modalidades de muay thai, jiu-jítsu, kickboxing e MMA. Anderson tem um Centro de Treinamento (CT Gladiadores), é um dos maiores CTs do estado do ES. / Foto :@edersonfelixfotografo.

William Nunes

“Sou faixa preta de judô formado pela Federação e Confederação Brasileira de Judô desde 2001. Desenvolvo o projeto de judô na Interfami há 14 anos. Já temos vários atletas da instituição formados, participando em Campeonatos Brasileiros. Ano passado, enviamos uma aluna nossa à Curitiba, no Brasileirão. Mês que vem, já classificamos cinco meninas que irão pra competição no RJ”,  disse o judoca William Nunes, 44. / Foto: @edersonfelixfotografo.

Ricardo Neri

“A Luta Olímpica tem por objetivo derrubar o oponente e dominá-lo no chão. Ela rodou na Grécia na época das primeiras Olimpíadas, e, é dividida entre o greco-romano e freestyle. O greco-romano, basicamente, o lutador só pode segurar e derrubar seu oponente da cintura pra cima, e é praticada só por homens. Já o freestyle, estilo livre, pode segurar as pernas… É mais completo… Homens e mulheres podem competir”, disse o faixa preta de jui-jitsu e faixa preta de kickboxing, Ricardo Neri, 32. / Foto: @edersonfelixfotografo.

Márcio André da Silva

“O karatê é exemplo de disciplina, o instinto de conter a agressão. Esse evento está sendo ótimo pra todas as idades. Eu sou do RJ, vim para o ES há cinco anos. Eu sou reconhecido no ES como segundo Dan e no RJ comecei a treinar em 1989, e, lá, sou primeiro Dan. Depois da faixa preta não acaba, ali, têm outros níveis acima disso”, disse Márcio Andre. / Foto: @edersonfelixfotografo.

Marcelo Alexandre

“Não tem preço, cara! Eu tô me divertindo mais do que eles, cara. Quem fez essa iniciativa, tá de parabéns! Eu me divirto mais do que a própria criança. Como eu amo fazer esporte, essa semente eu tento passar pra frente. Toda criança que quiser praticar qualquer esporte, eu apoio. Porque o esporte ele é uma terapia pra tudo”, disse o faixa preta de jiu-jítsu, e azul escuro ponta preta de muay thai, Marcelo Alexandre, 44. /Foto: @edersonfelixfotografo.

Tyson Alves

“É bem gratificante porque eu vim de uma comunidade pobre e ser campeão te dá uma altivez de vida, você tem outra mentalidade quando se torna campeão, você começa a ter mais responsabilidade social com as crianças, na comunidade e você começa ser bem visto. Virei treinador depois do primeiro campeonato. Eu tô colhendo os frutos de ter sido campeão e graças a Deus já tenho uma carreira de professor consolidada, no boxe são 10 anos como professor”, disse o professor, Tyson Andrade, 36, campeão capixaba de boxe e MMA. / Foto: @edersonfelixfotografo.

Pequenas lutadoras

Entre tantas feras profissionais, não poderia faltar os pequenos e futuros atletas. Já em formação, a menina Maria Eduarda de Oliveira Rosa, 12, aluna do professor Tião, é passado e futuro de campeã. O talento juvenil já venceu o Mundial no X- Combat e um Estadual do ES. Ela explica o porquê do jiu-jítsu em sua vida.  “Porque é um esporte que me faz gostar de querer aprender, me faz querer me dedicar mais, e porque minha mãe fazia jiu-jitsu, então ela me inspirou muito em fazer isso”, destacou. Maria Eduarda perdeu a mãe há cinco anos. O evento do “Caravana de Lutas” aconteceu no sábado (23), sendo que no dia anterior, seria o aniversário de sua mãe. “Eu lembro muito. Eu gosto de representar ela. O aniversário dela foi ontem… Saudade, né!”, disse com lágrimas.

Representando o grupo de crianças, que tiveram o primeiro contato com o esporte no tatame, a ferinha Maria Clara, que completou oito anos no dia do evento, falou sobre esse momento mágico de praticar o muay thai. “Tô gostando dos socos que ele está ensinando e dos chutes”.

– “Gosta de chutar alguma coisa em casa?” (reportagem)

– “Às vezes eu chuto a vassoura”, respondeu Maria Clara.

– “Por que você chuta a vassoura?”, (reportagem).

– “Porque às vezes eu fico nervosa”, foi direta Maria Clara.

E no meio da criançada, os pais se divertem e ficam na expectativa, de um dia, quem sabe, seu filho (a) venha participar integralmente de alguma arte marcial.

É o caso da Katiane Agostinho dos Santos, 28, moradora do bairro Nossa Senhora da Conceição. Ela levou seu filho de 12 anos. “É a primeira vez que levo ele em um evento de esporte. Ele tá gostando, porque a gente sempre quis colocar ele no esporte, só que, aqui, onde a gente mora, não tem essa oportunidade. E, também, é um ótimo incentivo, porque tira as crianças da rua e evita deles estarem entrando na vida errada”, completou a mãe com muita satisfação.

Papo de Mulher

Diante de tantos combates, artes marciais, gestos de cidadania, uma luta que não poderia ficar de fora é o “Papo de Mulher”, um projeto que a Interfami criou para atender às mulheres em diversos assuntos que dizem respeito ao universo feminino. No dia do evento, o sexo feminino foi representado por todas as faixas-etárias. O tatame se transformou em um lugar de aprendizado de luta sobre a vida e as emoções feminina.

A fundadora da Associação de Intervenção Familiar do Espírito Santo (Interfami), Patrícia Freitas, 46, esposa do presidente Eduardo, é uma das criadoras desse projeto. “Eu, a Priscila e a Nancy, observando as nossas análises, a gente percebeu o quanto é importante criar espaços de rede de apoio para mulheres. O nosso intuito é trazer saúde, bem-estar e desenvolvimento pessoal. A gente trabalha a sororidade – empatia entre mulheres, irmandade, uma mulher levanta a outra mulher -. Aqui, essa mulher tem lugar de fala. Então mensalmente nós nos encontramos em um espaço ao ar livre para conversar um papo de mulher”, disse a psicóloga.

TPM, jornada de trabalho, maternidade, violência familiar, entre outros assuntos do universo feminino, foram abordados pelas mulheres que lutam: Priscila Rodrigues, à esquerda na foto, e sua amiga de projeto Patrícia Freitas, ambas fundadoras da Interfami. / Foto: @fabriciolfotos

Outra mulher de luta e fibra, é Priscila Rodrigues, 40, também uma das fundadoras da Interfami e criadora do Papo de Mulher. “A gente entende o complexo que é ser mulher, todas essas questões que envolvem a feminilidade”, explicou a assistente social.

E também comentou ter juntado mulheres de faixas etárias nesse evento. “Eu acho maravilhoso, porque a gente conseguiu atingir todas as faixas etárias, tanto com as mais novas sobre todas essas questões envolvendo o mundo feminino, a gente conseguiu atingir a mulher madura, que já passou por muita coisa na vida, e que pode ressignificar o aprendizado. E as idosas, que puderam aprender novos conhecimentos também. É muito gratificante. É impagável o que a gente proporciona pra essas mulheres”, exclamou.

Papo de Mulher – “Esse empoderamento tóxico que muitas vezes pregam… Esse ocupar o lugar do homem, não é o Papo de Mulher. Ser melhor do que o homem, não é o Papo de Mulher. O Papo de Mulher , é a gente cuidar da nossa feminilidade, é a gente se valorizar enquanto mulher, saber o nosso lugar na sociedade, é simplesmente isso. Não é um papo feminista de forma nenhuma. O nosso intuito, é trazer mesmo o conhecimento, para que essa mulher entenda quem ela é, seus valores, e que ela saiba qual é a sua missão, aqui, no mundo. Que ela desenvolva isso de uma forma feminina, de uma forma inteligente e sábia, e não de uma forma bruta ou masculinizada, então isso não é Papo de Mulher”, explicou Priscila Rodrigues. / Foto: @fabriciolfotos

Para completar o time feminino que contribuiu para a criação do Papo de Mulher, claro, não poderia faltar a madrinha do Interfami, Nancy, aquela que batiza projetos sociais. Dispensando comentários de sua suada trajetória, quem a conhece já sabe do que ela é capaz de construir. “Quando a gente coloca o coração no negócio, não tem como dar errado. Então, por mais pessoas colocando o coração para que as coisas aconteçam de verdade. Assim como aconteceu o Caravana de Lutas, que foi um sucesso”, disse repleta de satisfação.

‘Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé’. (2 Tm 4:7)

Por fim, toda luta tem que acabar. E luta do campeão que vem aí, você já pôde ter conhecido nessa reportagem. O presidente da Interfami fez uma análise ao fim do evento. “Cem por cento de satisfação! O evento, realmente, foi muito lindo. Superou nossas expectativas e graças a Deus, deu muito certo. A equipe esteve aqui na ativa… Foi muito satisfatório… Tô emocionado… Não tem palavras que descreva… É um sonho realizado e ver todo esse trabalho, todo esse esforço… Realmente, valeu a pena! O público alvo foi alcançado. Agora, é partir para o próximo. Vamos preparar a próxima etapa. Vem aí! Caravana de Lutas 2”, concluiu com fôlego.


Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39

Compartilhe essa matéria nas redes sociais

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram

Tags

Talvez queira ler esses Artigos

Simone, CEO da Silver Solutions

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Entrevista / Empresarial Bacharel em Turismo, Técnico em Segurança do Trabalho e Especialista em Segurança Contra Incêndio,

Para que servem as escolas?

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39 Coluna Letrados Por Samuel J. Messias / Mestre em Educação. O papel das escolas na sociedade

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

Simone, CEO da Silver Solutions

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Entrevista / Empresarial Bacharel em Turismo, Técnico em Segurança do Trabalho e Especialista em Segurança Contra Incêndio, a CEO da

Para que servem as escolas?

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39 Coluna Letrados Por Samuel J. Messias / Mestre em Educação. O papel das escolas na sociedade As escolas desempenham

Shopping Basket