28.51°C Brasília

14 de julho de 2024

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

13 de Julho: Dia Mundial do Rock

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Cultura/Música Por: Redação Guitarras melódicas aos violões acústicos. Sem falar na bateria e contrabaixo, que trazem aquela pegada pra galera

O empreendedorismo promove a inclusão socioeconômica

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39 Coluna Criativos Por Samuel J. Messias – Gerente de Projetos Especiais na ADERES Este artigo explora a relação profunda entre o

A PF não sabe fazer conta

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39 Coluna Polítikus/Investigação Por: José Salucci – Jornalista e diretor do Merkato Em um país que não dá mais

Festival Movimento Cidade de volta ao Carmélia

(Imagem: Movimento Cidade).

Evento acontece entre os dias 18 e 19 de agosto com muita programação cultural, musical, artística, palestra e sustentabilidade. (Imagem: Movimento Cidade).

O Festival Movimento Cidade volta a ocupar a cena cultural capixaba neste mês. Entre os dias 18 (sexta-feira) e 19 (sábado), no Centro Cultural Carmélia, acontecerá um verdadeiro assentamento cultural de mostras audiovisuais, shows musicais, bate-papo, batalhas de dança e rima, intervenções artísticas e apresentações culturais locais.

A entrada é gratuita. Não haverá retirada de ingresso para este ano, é só chegar. Mas será necessária a doação de alimentos. Na ocasião, o participante deverá trazer 1kg de alimento não perecível por dia de evento.  Os alimentos serão doados para as comunidades em torno do Carmélia.

O Festival MC, que está em sua quinta edição, teve início em 2018, como uma Mostra Audiovisual para falar sobre mobilidade urbana. De lá pra cá, o evento cultural ganhou espaço, identidade e um lugar no coração dos capixabas.

E na edição deste ano, o MC quer repetir o sucesso do ano passado. Na ocasião, 10 mil pessoas ocuparam o Carmélia. O fomento ao empreendedorismo cultural que o MC promove nesses seis anos de festival, reafirma a identidade cultural do Espírito Santo.

“O Festival quer se aproximar e se conectar com as mais diversas identidades capixabas e dar luz para todas elas. Nosso objetivo sempre foi mostrar o que existe de melhor em nós, o nosso trabalho e o talento. A temática deste ano, quer nos lembrar sobre a relação existente entre a cidade e a terra, e do quanto estamos conectados”, explica a diretora de Comunicação, Luísa Costa.

Para um festival dessa envergadura, a programação vem recheada de novidades e diversidades artísticas. No audiovisual, três mostras serão exibidas durante o evento: “Mostra Movimento Cidade”, exibição de curtas-metragens nacionais de diferentes formatos de até 30 minutos; “Mostra Cena Capixaba”, que exibirá curtas-metragens com temáticas urbanas, memórias e cartografias afetivas das cidades do Espírito Santo e a “Mostra MC.Metaverso Brasil”, exibição de cinco (05) filmes em realidade virtual.

Outra arte que não pode faltar nesse evento é a música. Artistas nacionais e locais farão o tom e o som para os participantes se divertirem. Na turma dos visitantes, o shows ficam por conta de Liniker, Djonga, Afrocidade e Rico Dalasam. E pra representar os artistas da nossa casa, as cantoras Luiza Dutra, Eloá Puri, Mary Jane e Mallu complementam as apresentações musicais de encerramento.

Além dessas manifestações artísticas, o público contará com o bate-papo “Regenera”, que pretende comentar a regeneração das cidades com a temática socioambiental. Na ocasião, o jornalista da Globo News, André Trigueiro, que também é criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC-Rio, será mediado pela jornalista Luanna Esteves, a qual atua na valorização da cultura do Espírito Santo; a jornalista percorreu todos os municípios do estado por meio do seu trabalho televisivo, o “Em Movimento”. Faça sua inscrição gratuita. Vagas limitadas.

O evento ainda contará com batalha de dança comandada pela Matysha Bonekety, batalha de rima com a rapper e atriz Afronta MC, e intervenção de arte urbana com as artistas Camz e Lu Bicalho. As apresentações de grupos tradicionais locais, como a banda de congo formada só por mulheres “Madalenas do Jucu”, abrilhantam o festival.

E com essa envergadura de evento, o Festival MC deixa seu recado. “Nosso objetivo ao escolher nossa programação sempre são as conexões verdadeiras e encontrar convidados que estejam alinhados com as temáticas que pregamos, que são a sustentabilidade, a diversidade e a criatividade. Como um Festival multi-linguagens, que tem o audiovisual em seu DNA, temos uma curadoria que busca trazer para perto os segmentos e pessoas que se destacam dentro de suas áreas”, enfatizou Luísa Costa.

O sopro do MC

O Festival Movimento Cidade já escreve na história da cultura capixaba, o ressurgimento do Centro Cultural Carmélia, que já esteve em total falência como espaço em seu uso cultural.

No meio de tanta arte, existe o compromisso com a arte do pensar sustentável.  O evento conta com a “Feira Lá na Roça”, em que  produtos naturais e orgânicos, de produtores capixabas, são expostos ao público. Também haverá uma horta comunitária e sustentável com vasos feitos de reaproveitamento de garrafas pet. Ao final do evento, o público poderá levar o vaso para casa.

Outra iniciativa de responsabilidade social que o evento colabora, é o envolvimento da comunidade local. As atividades do festival geram empregos para fornecedores diretos e indiretos, e ainda conta de forma legalizada, à circulação de produtos próprios dos ambulantes do entorno, podendo ser comercializados durante o evento.

Toda essa criatividade cultural, sustentável e de empregabilidade, reunidos em um só festival, se faz necessário à capital capixaba esse evento. Garantir a permanência dessa potência sociocultural, anualmente, passa a ser uma meta para a diretora de Comunicação do Festival MC, que deixa claro o seu contentamento.

“A ocupação do Centro Cultural Carmélia já é algo que está na nossa história para sempre. Desde o Festival MC do ano passado conseguimos perceber e sentir a grandiosidade de trazer o evento para cá. Foi muito significativo receber pessoas nesse espaço pela primeira vez, fazer com que ele voltasse a ser olhado e percebido e dar a Carmélia o reconhecimento que ela merece para a nossa história. Ficamos muito felizes de saber que o público espera ansiosamente pelas nossas ações e por tudo que a gente prepara sempre com tanto carinho e significado. Queremos fazer parte do calendário de Festivais anualmente, com até mais de uma edição, como aconteceu em 2023, que já realizamos o Festival MC.Favela e o MC.Mulheres também”, confirmou.

Contato: @movimentocidade

 

 

 

.

 

Compartilhe essa matéria nas redes sociais

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram

Tags

Talvez queira ler esses Artigos

13 de Julho: Dia Mundial do Rock

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Cultura/Música Por: Redação Guitarras melódicas aos violões acústicos. Sem falar na bateria e contrabaixo, que trazem aquela

PUBLICIDADE

MAIS RECENTES

13 de Julho: Dia Mundial do Rock

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39. Cultura/Música Por: Redação Guitarras melódicas aos violões acústicos. Sem falar na bateria e contrabaixo, que trazem aquela pegada pra galera

O empreendedorismo promove a inclusão socioeconômica

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39 Coluna Criativos Por Samuel J. Messias – Gerente de Projetos Especiais na ADERES Este artigo explora a relação profunda entre o

A PF não sabe fazer conta

Invista no Jornal Merkato! – Pix: 47.964.551/0001-39 Coluna Polítikus/Investigação Por: José Salucci – Jornalista e diretor do Merkato Em um país que não dá mais

Shopping Basket